José Lino Souza Barros

Coluna do José Lino Souza Barros

Veja todas as colunas

Os profissionais de saúde e o heroísmo desnecessário

Do jornalista Tulio Milman

16/04/2020 às 12:08
Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Legiões de heróis emergem das sombras do coronavírus. Gente que vai além, que arrisca a própria vida para salvar outras. Na linha de frente, despontam os profissionais de saúde. Expostos diretamente aos riscos de contágio, cumprem jornadas exaustivas de trabalho, tomando decisões vitais sobre uma doença cercada de muitas perguntas e de raras respostas. Mas existe uma dimensão desnecessária nesse heroísmo.

Espocam de vários cantos do Brasil denúncias de falta de equipamentos de proteção individual para médicos, auxiliares de enfermagem e enfermeiros. Não só para eles. Evoco esse contingente como símbolo dos demais. E não é só no Brasil, mas em várias partes do mundo. É essa a dimensão cruel e desnecessária do heroísmo. Bem-vindos a bordo.

"Em caso de despressurização da cabine, máscaras cairão automaticamente. Primeiro, coloque a sua e só depois, em caso de necessidade, ajude outras pessoas". Toda vez que alguém viaja de avião, ouve a frase. Ela faz todo o sentido. Para cuidar dos outros, é preciso primeiro cuidar de si. Não é egoísmo. Muito antes pelo contrário. Policiais, bombeiros, pilotos de avião e médicos precisam estar bem equipados e bem treinados para serem mais eficientes. Heroísmo é outra coisa. E não é uma obrigação, mas sim uma escolha ou uma imposição do destino.

Entre tantas necessidades, cuidar de quem cuida da vida deveria estar no topo da lista. É tão importante, que vem antes da prioridade, que é atender os doentes. O Brasil é gigante e tem carências de infraestrutura e logística. Além disso, a pressão econômica dos países mais ricos suga a produção de máscaras, luvas e outros acessórios. Os preços dispararam e os fornecedores de alguns itens são poucos. Justamente por isso, o governo do Brasil - especialmente seu presidente - deveria usar a energia que desperdiça com bravatas e prescrições açodadas para cuidar de quem cuida. Que os nossos heróis fiquem todos vivos, para que possam receber o aplauso e o carinho merecidos pelos atos de superação e bravura diante dos quais não havia opção além do risco.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    O contingente sobe para 38,1 milhões quando se leva em conta a população não ocupada que não procurou trabalho (ou seja, fora da força de trabalho), mas que gostaria de trabal...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    Com eles foram encontrados R$ 3.400, além de nove maquininhas e vários cartões de créditos de vítimas. #Itatiaia

    Acessar Link