Notícias

Tatuadores, cabeleireiros e podólogos podem ser aliados no combate ao câncer de pele

Por Aline Campolina, 10/12/2019 às 08:32
atualizado em: 10/12/2019 às 08:39

Texto:

Foto: Pixabay
Pixabay

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) constatou que apenas 23% dos brasileiros usam o protetor solar da maneira recomendada pelos médicos. E calcula-se que seis milhões não usam nada na exposição ao sol. O ideal é aplicar o filtro 15 minutos antes de sair ao sol e fazer reaplicações, de preferência, a cada duas horas.

O câncer mais frequente no Brasil e no mundo é o que atinge a pele. Ele é causado principalmente pela exposição excessiva ao sol. A doença é mais comum em pessoas com mais de 40 anos e é considerada rara em crianças e pessoas negras.
 
E neste Dezembro Laranja, mês de conscientização contra o Câncer de Pele, tatuadores, cabeleireiros e podólogos são chamados para ajudar as pessoas a identificarem os sintomas da doença. Segundo o médico e professor, Alberto Wainstein, “as pessoas idosas, por exemplo, não conseguem ver a sola do pé. Se o podólogo perceber uma lesão pigmentada ou algo diferente, às vezes, ele tem uma chance única de alertar esse cliente e, não raro isso, salva a vida da pessoa”, diz.

Ainda de acordo com o oncologista, os cabeleireiros também são fundamentais. “É uma importância enorme porque a gente não consegue fazer o autoexame do couro cabeludo. Então, se o cabelereiro se atentar para uma pinta, por exemplo, ele pode ajudar muito aquele cliente”, afirma.
  
Para os tatuadores, a questão é mais delicada, uma vez que muitas pessoas optam por fazer tatuagens para cobrir uma pinta ou cicatriz. “O tatuador é essencial nisso porque são justamente essas lesões que as pessoas acham feias e querem tapar que podem ser as mais perigosas. Então, se ele perceber algo diferente, ele pode fazer a tatuagem poupando aquela região e orientar o cliente a procurar um médico. Então todos juntos para ajudar os clientes”, ressalta o médico.

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link